segunda-feira, 22 de março de 2010

Niver da Vó

O niver da vó é só amanhã, mas aproveitamos o sábado à noite, dia que todo mundo pode comparecer, para comemorar os 76 anos da véia.

A véia nem é tão véia assim, né? hehehe. Mas não tá lá no ápice da saúde, nem do bem-estar, pelo que posso ver.

Ela tem uma história de renúncias, cobranças, autopiedade e passividade. Não se preocupou consigo mesma, se preocupou apenas com os outros e agora colhe os frutos de suas escolhas.

Quem sou eu para julgar, né mesmo? Mas, com esta experiência, é claro pra mim que nossas escolhas não afetam apenas a nós mesmos, mas as pessoas que nos rodeiam e que nos amam.

A obesidade é um tema recorrente por aqui e não posso deixar de lado.

Se nos permitirmos nos tornar um idoso obeso, tamo fu!

Idoso por idoso já tem muitas dificuldades, imagina se tudo vier acompanhado de um monte de banha pesada pra carregar?

Eu nunca tinha pensado na obesidade por esse lado. Eu sempre tive problema de peso advindo das minhas instabilidades emocionais, por sua vez advindas de necessidades não supridas, por sua vez advindas de histórico de vida pessoal e familiar.

O sobrepeso pra mim, como adolescente, sempre foi uma questão estética. Muito mal resolvida dentro de mim, óbvio. Eu era uma fiel seguidora da frase "Quem gosta de beleza interior é decorador", hahaha. Pobre menina infeliz.

Já na idade adulta, fui alternando altos e baixos em relação ao peso. Tudo dependia do quão feliz eu me sentia na minha vida pessoal e profissional. Aos 28 anos, o sobrepeso se tornou uma questão de saúde. Desenvolvi temporariamente um quadro de hipertensão que poderia só piorar caso eu não tomasse alguma atitude.

Emagreci, relatei tudo aqui em 2006/2007. E venho até hoje descrevendo meus altos e baixos, minha sanfona barulhenta, que me acompanha há anos. Instabilidade emocional como sempre.

E hoje, diante do quadro de obesidade da minha vó, que já não tinha lá uma grande qualidade de vida, vejo tudo piorar a cada dia.

Muita gente com certeza já se tocou que pior do que ser gordo é ser velho e gordo. Mas eu não posso deixar de relatar isso aqui, porque com certeza também, muita gente nunca pensou nisso.

Minhas duas últimas semanas foram de pura preguiça e relaxo. Me vi diante de muita coisa pra pensar, dizer e tentar ser respeitada. E também rezando e pedindo a Deus para que, se eu estiver sendo injusta e ingrata, que Ele me mostre o caminho da sabedoria.

Hoje, um novo dia, a vida continua e pretendo seguir em frente, com garra, confiança e prazer em viver. Isso é o que eu mais busco na vida: prazer em viver.

Meu fim de semana foi super gostoso ao lado de amigos e família.

Agradeço quem sempre aparece pra dar uma força e, apesar de eu andar meio quietinha, estou sempre presente, acompanhando tudo o que acontece na blogosfera light.

Beijos e uma ótima semana a todos!!

Cris


2 comentários:

  1. Antes de mais parabéns para sua vó.
    Nossa deve ser bom demais ter uma né mesmo?
    É cris vc tem razao , se deixarmos a obesidade se arrastar até a velhice estamos ''fu'' mesmo. se agora já é dificil imagina mais tarde, onde tudo fica mais lento inclusive todo o nosso metabolismo, hufa ! quero nem pensar nessa possibilidade, rsrsrsr.
    bjocasssss.

    ResponderExcluir